Meu Rincão

Minha terra não é de todos;
Apenas de quem a ama!
Minha terra não tem tudo;
Apenas o essencial!
Minha terra não tem pressa;
Mas, às vezes, corre!
Minha terra não é grande;
Apenas suficiente!
Minha terra é rica:
Cultura, vanguarda, tradição...
Minha terra perfeita? É, não!
É quase humana, mãe!
É mutante:
Cinzenta , estorricada,
De repente, verde, encharcada!
É sensível, persistente, alegre...
Minha terra enche-me de saudade
Sua água revigora-me
É renovação!
São, do Sabugi,
João.

PR_SJS

domingo, 3 de agosto de 2008

Saúde Pública

RELATÓRIO da visita a Unidade Básica de Saúde Vereador Durval Costa
Este relatório foi apresentado à disciplina de Oficina I de Vivência na comunidade, do Curso de Medicina – FACS/UERN, em junho de 2008.
Objetivo

Observar as estruturas físicas, humanas, sócio-econômico-culturais da equipe e da clientela da Unidade Básica de Saúde Vereador Durval Costa (UBSVDC), sito à Rua Ralfh Soppor, no bairro Alto de São Manuel, além da metodologia de atuação daquela em relação junto à referida comunidade.

Atividade
Observar in loco e discutir o funcionamento cotidiano de uma Unidade Básica de Saúde.
Descrição

A equipe médica padrão da Unidade Básica de Saúde (UBS) conta com os serviços de Medicina Clínica, Ginecologia e Pediatria e, a partir de 2005, passou a integrar a equipe o Médico da Família.
Cada equipe do antigo PSF, hoje ESF, Estratégia de Saúde da Família conta com 01 Médico, 01 Enfermeiro, 01 Odontólogo, 01 Auxiliar de Enfermagem, 01 ACD, 06 Agentes de Saúde. Preconiza-se que cada equipe atenda a 1.000 famílias, cerca de 3.500 pessoas, em média – uma proporção muito elevada, quando comparada com o modelo cubano: 250 famílias – o que acaba por dificulta as atividades educativas exigidas pelo Ministério da Saúde (MS) devido ao tempo que se torna exíguo -, assim, o ESF acaba sofrendo adaptações a fim de melhor servir à
comunidade.
No caso específico do bairro visitado, boa parte dos problemas de falta de medicamentos de uso contínuo é sanada pela aquisição pelo próprio paciente, principalmente, nas Farmácias Populares, como também as consultas, visto que ± 30% dos usuários tem plano de saúde privado, contribuindo para reduzir a demanda por ficha na UBS.
A UBSVDC disponibiliza para os hipertensos, diabéticos, doentes mentais, gestantes e crianças até 04 anos um atendimento específico, cada um em um dia da semana diferente, sendo disponibilizadas entre 12 e 16 fichas por período, resguardando 01 dia por semana para reunir a equipe e planeja as estratégias PA a semana seguinte. Também há o agendamento de consultas. A unidade também possui grupos que prestam assistência a crianças obesas, que orientam e educam a população para combater a Dengue e que prestam assistência social e visita domiciliar aos pacientes que estão impossibilitados de irem a UBS. Essa equipe já chegou a solicitar o cercamento de uma quadra poliesportiva situada nas suas proximidades, com o intuito de evitar algum acidente com os idosos. (Isso demonstra a importância depositada pelos moradores do bairro na equipe de saúde, cujos integrantes galgaram um status de autoridade comunitária).
Os Agentes constituem o braço robusto para um bom Serviço Pró-Ativo de Saúde da Família, pois são eles que realizam o primeiro contato entre a Equipe e as Famílias, assim, têm fundamental importância no programa de controle do peso de crianças e do uso correto de medicamentos por idosos e hipertensos.
A denominação, Unidade BÁSICA de Saúde, por só já é limitante de suas funções, destarte, o internamento domiciliar até existe, porém há dificuldade na assistência profissional noturna, caso haja necessidade, também faltam medicamentos de uso hospitalar para serem administrados no paciente. Não são feitas suturas e os casos graves são encaminhados para o Centro de Especialidades e para as UPA’s; porém, cerca de 80% dos casos que chegam `a UBSVDC são resolvidos na própria UBS. São utilizados os sistemas de referência e de Contra-Referência, especialmente, com os Dermatologistas e com os Cardiologistas.
Uma forte estratégia da equipe é conseguir atuar com INTERdisciplinaridade no âmbito do atendimento ambulatorial e no educacional, para o qual lançam mão de parcerias com as igrejas (cedem espaços físicos para a realização das reuniões com a comunidade, além de divulgarem-nas entre seus fiéis durante os cultos), com a UFERSA (cede acadêmicos e professores do curso de Engenharia Agronômica para orientarem a construção e a manutenção de hortas comunitárias) e a Prefeitura (a qual cede profissionais que compõem o seu quadro, mas não estão lotados na UBSVDC, como Nutricionistas, fisioterapeutas, entre outros).
O atendimento dos ESF’s são restritos à comunidade na qual estão lotados, visando um melhor conhecimento e uma maior integração dos profissionais que integram cada equipe prestadora do ESF e sua respectiva comunidade, isso facilita o desenvolvimento de um trabalho de prevenção às drogas e às DST’s, como também, a aplicação de flúor pelo odontólogo nas crianças nas escolas.
Pretendendo induzir uma aquisição de hábitos alimentares saudáveis pelas crianças, principalmente durante o lanche nas escolas, a equipe do ESF da UBSVDC tem orientado as mães a não darem dinheiro a seus filhos levarem para o colégio, na tentativa de inibir a compra e o consumo exagerado de massas, salgados, salgadinhos, refrigerantes, frituras pelos mesmos.
As UBS contam com um Gerente, responsável pelo bom funcionamento da Unidade.
O paciente deve dirigir-se ao SAME, onde ficam arquivados os prontuários, os quais são identificados pelo nome DO CHEFE DE CADA FAMÍLIA, seguido dos nomes dos demais familiares. Há um quadro de agendamento afixado em local bem visível para a orientação da população quanto à disponibilidade de fichas e de serviços para o dia atual e para o subseqüente. Cada membro da família recebe uma carteira, na qual constam o nome do chefe da família, número do prontuário e nome do agente de saúde.
Em sua infra-estrutura, a UBSVDC também dispõe de uma sala de preparo – na qual são verificados os sinais mensuráveis dos pacientes –, uma de enfermagem – na qual são realizadas as consultas às Enfermeiras que constituem condição sine qua non e prévia para a distribuição de medicamentos de uso contínuo, como anti-hipertensivos, antidiabéticos, anticoncepcionais e preservativos, entre outros, realizada na mesma sala –, uma sala de prevenção – onde há realização de exames para possíveis diagnósticos prévios de carcinomas de colo uterino e de mama, como o Papanicolau e palpação das mamas, respectivamente –, uma sala de espera, uma sala que abriga o serviço de arquivamento de prontuários médicos – SAME –, uma sala para a Assistente Social e dois consultórios médicos, uma sala de curativos – contudo não se faz drenagem de abscessos devido à falta de um espaço apropriado e de tempo hábil –, dispõe de banheiros separados para funcionários e para pacientes; também há uma copa e uma sala de esterilização.
Há indisponibilidade:

de uma sala para que o paciente que necessitar fique em observação;

de uma sala de reuniões, as quais ocorrem em espaços gentilmente cedidos por escolas e/ou igrejas.
Segundo a médica, não há problemas com o suprimento de matérias, nem com déficit de equipamentos (mas, quando ocorrem, o mais comum é que sejam nos equipamentos e materiais odontológicos); porém há no tocante à comunicação com médicos de outras unidades – como os do HRTM, por exemplo – que se mantêm inacessíveis a uma simples troca de informações para benefício do paciente.

Apesar de haver estoque e distribuição de medicamentos na UBSVDC, ela não dispõe de Farmacêutico em seu quadro de funcionários, profissional que poderia contribuir para a melhoria e otimização da terapêutica, especialmente na antibioticoterapia! Tal desfalque no quadro funcional impede a distribuição de medicamentos sujeitos a controle especial, o que contribuiria para um acesso mais fácil e rápido ao tratamento pelo paciente.

A força da melhor-idade:

Os idosos são os maiores divulgadores das reuniões (sendo o grupo de maior assiduidade às mesmas) e das campanhas organizadas pela equipe!
Caso não haja mais ficha para o médico desejado, o paciente será atendido pela Enfermeira (da equipe), que realiza uma triagem, não permitindo que o paciente saia da UBSVDC sem uma orientação para o seu problema.

O cadastramento é feito pelo Agente de Saúde, o qual também é responsável pela inclusão dos recém-nascidos nos prontuários e pela exclusão dos falecidos daqueles.

Conclusão

Todas as UBS têm como meta um padrão de atendimento ideal a ser alcançado, o qual é bastante difícil de ser alcançado, especialmente quando também alberga em suas instalações equipe(s) do ESF, devido às adversidades e particularidades da “clientela” ou do público a ser assistido, como educação, renda, classe social, assim como aos entraves burocráticos típicos da administração pública.
As observações ensinaram-nos quão importante para a qualidade de vida da população, principalmente para a parcela mais carente, é a correta prestação dos serviços de saúde.
Para tanto, é imprescindível integrar a equipe de maneira que haja uma atuação INTERPROFISSIONAL; melhoria na acessibilidade dos profissionais lotados em unidades distintas, de modo a facilitar a comunicação entre si, otimizando, assim, o restabelecimento da saúde do paciente.
Atuar educativamente junto a comunidade assistida pela UBS é importantíssimo para gerar elementos multiplicadores de informações sobre higiene, nutrição, qualidade de vida, importância da adesão a hábitos saudáveis com o intuito de prevenir várias doenças (especialmente as da modernidade: obesidade, estresse, hipertensão, infarto, diabetes, verminoses, cólera, dengue, entre outras.
A anamnese deve contemplar uma visão integral/holística do paciente, apesar de sua queixa ser restrita a apenas um determinado órgão.
Apesar de a administração pública ter avidez por “números”, o profissional médico deve ser ávido pela qualidade da assistência que presta ao paciente, prescrevendo apenas o que for e quando for necessário para o restabelecimento da saúde do paciente, além de tornar-se mais acessível aos colegas e a outros profissionais da saúde para a troca de informações acerca de um doente que lhe será encaminhado ou acerca de qual profissional/especialidade é melhor indicado para restaurar o bem-estar daquele enfermo.
Procurar unir a classe médica a fim de galgar melhorias nas condições de trabalho e na remuneração, além de lutar por uma redução na jornada de trabalho, objetivando torná-la menos estressante, melhorando a qualidade do atendimento (hoje, é comum um médico ter dois, três ou mais empregos devido à baixa remuneração, de modo que além de preocupar-se com o paciente que está atendendo, fica-o, também, com o horário e com os pacientes que terá de atender nos outros empregos, o que leva à redução da qualidade dos serviços prestados pelo profissional).
Uma gota de água é apenas uma gota d’água, contudo, várias unidas ganham volume e força, formam uma massa. A massa que caminha numa direção sem obstáculos, torna-se um rio calmo; porém caudal quando esses obstáculos surgem e se robustecem!
(PR_SJS, 06/2008)

Um comentário:

Regina disse...

Adorei esse artigo sobre a UBSde Mossoró que certamente retrata as demais unidades do nosso Estado.
PArabéns!